DISTÚRBIOS DO SONO



O sono é um estado fisiológico cíclico dividido em 4 estágios (N1, N2, N3 e REM), que apresentam uma arquitetura característica com proporções definidas de cada estágio e variações segundo a faixa etária. É definido comportamentalmente pelos seguintes critérios: atividade motora reduzida, resposta diminuída à estimulação, posturas estereotipadas (corpo deitado com olhos fechados) e reversibilidade relativamente fácil.

Distúrbios do sono são comuns, sendo que quase 20% da população tem alguma dificuldade crônica de sono. Esses distúrbios têm efeitos significativos na longevidade e qualidade de vida e manifestam-se principalmente com uma dificuldade para dormir à noite, manter o alerta durante o dia ou comportamentos anormais durante o sono.

A dificuldade em iniciar ou manter o sono durante a noite ou ainda um despertar precoce caracterizam a Insônia, que pode ser um sintoma isolado ou ainda acompanhar uma outra doença como a Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono.

A Síndrome da Apnéia e Hipopnéia Obstrutivas do Sono, distúrbio respiratório do sono mais importante e comum, afeta principalmente homens com mais de 40 anos, tabagistas, obesos e mulheres após a menopausa. A apnéia é causada por um estreitamento da faringe durante o sono com conseqüente restrição no fluxo aéreo levando ao aparecimento de roncos e pausas respiratórias acompanhadas de bradicardia e queda na saturação de oxigênio sanguínea, o que ocasiona episódios de microdespertares e um sono fragmentado de má qualidade. Em função disso, sonolência excessiva diurna, fadiga, sensação de sono não restaurador, insônia, queixas de memória, depressão e ansiedade se tornam cada vez mais evidentes. Existe uma associação entre apnéia do sono e cefaléia, sendo esta predominante no período da manhã, logo ao despertar. Além disso, a apnéia do sono é considerada hoje como mais um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cérebro e cardio vasculares. Também existe uma relação entre apnéia do sono e risco aumentado de diabetes. Alguns estudos confirmam também um risco aumentado de acidentes de trabalho e automobilísticos em pacientes portadores de apnéia do sono. O tratamento existe e quando instituído corretamente pode interferir significativamente na melhora da qualidade de vida do paciente. Inclui desde cirurgias otorrinolaringológicas até o uso de dispositivos intraorais (DIO) e aparelhos para manter uma pressão positiva contínua na via aérea (CPAP) evitando assim o seu colabamento. Algumas medidas comportamentais (higiene do sono) e perda de peso também são essenciais no tratamento. Além destes, existem outros distúrbios do sono tais como o Sonambulismo, Terror noturno, Distúrbio comportamental do sono REM, Movimentos periódicos dos membros, Narcolepsia, dentre outros.